Reconhecimento facial em aeroportos poderá acelerar processo de entrada e saída

7 07 2017

Portões automatizados com a tecnologia vão acelerar os procedimentos com os japoneses, liberando assim mais funcionários da imigração para fazer a triagem de passageiros estrangeiros

reconhecimento facial japao
O Ministério da Justiça anunciou na terça-feira (4) um plano para introduzir um novo tipo de portão automatizado nos principais aeroportos do país. O objetivo é acelerar os procedimentos de passageiros japoneses enquanto permite que mais funcionários da imigração façam a triagem de cidadãos estrangeiros, em uma medida que visa conter o terrorismo e bloquear a entrada ilegal.

“Ao suavizar os processos de imigração de entrada e saída para os cidadãos japoneses, podemos ter mais funcionários realizando a triagem de cidadãos estrangeiros”, de acordo com um comunicado de imprensa divulgado pelo ministério no dia 4 de julho.

Com a expectativa de que 40 milhões de turistas do exterior venham ao Japão em 2020, e 60 milhões em 2030, é fácil prever que aeroportos tenham falta de funcionários da imigração, de acordo como o Ministério da Justiça.

Os novos portões vão destacar câmeras que tiram foto dos passageiros. Ao usar a tecnologia de reconhecimento facial, a foto tirada será comparada com dados de imagem obtidos de passaportes. O processo todo vai levar menos de 15 segundos.
Portões do tipo também serão instalados nos aeroportos de Narita, Chubu e Kansai

O ministério introduziu portões automatizados similares que usam autenticação de impressão digital em 2007, mas menos de 10% dos passageiros os usaram em 2016. É possível que os portões não tenham se popularizado porque exige-se que os usuários registrem suas impressões digitais antes de seus voos, disse um funcionário. Os novos portões não vão exigir tal registro com antecedência.

Três unidades desse tipo vão ser instaladas no Aeroporto de Haneda (Tóquio) no início de outubro, que serão usados por passageiros japoneses na chegada.

A previsão é de que tais portões automatizados sejam instalados em outros 3 principais aeroportos – Narita (Chiba), Chubu (Aichi) e Kansai (Osaka) – até o final de 2018.

Para cidadãos estrangeiros que vêm ao Japão geralmente a negócios, portões automatizados já estão disponíveis em principais aeroportos desde novembro passado.
Fonte: Portal Mie com Japan Times

Anúncios




Temendo ataques terroristas, Japão aumenta controle nos aeroportos

4 02 2015

Japão aumenta controle nos aeroportos
O governo japonês, desde terça-feira (03), intensificou as medidas de segurança nos aeroportos e portos, informou o Japan Today.

O aumento da segurança ocorreu depois das ameaças ao Japão, atribuídas ao Estado Islâmico. Em um vídeo divulgado no último domingo, extremistas ameaçaram o país, dizendo que “causarão uma carnificina onde o povo japonês estiver”. As autoridades confirmaram o reforço relativo aos controles em portos e aeroportos para impedir a entrada de terroristas. Polícia e cães farejadores estão patrulhando terminais.

Embora o Japão tenha fornecido ajuda humanitária para refugiados, até esta crise, o país não estava diretamente envolvido na luta contra o terrorismo.

“O que devemos entender é que os japoneses são também alvos terroristas. Nós realmente devemos abrir os olhos para ver esta realidade”, salientou Kunihiko Miyake, um ex-diplomata e pesquisador em Tóquio. “Os níveis de precaução que o Japão tomou até agora não são suficientes. Temos de rever e reforçar a segurança para o cidadão, não apenas aqueles que vivem no exterior, mas dentro do Japão”, referiu.
Fonte: IPC Digital





Japan Airlines, maior companhia aérea da Ásia, pede concordata

19 01 2010

by Shigoto.com Agencia de Turismo

Ações da empresa caíram mais de 90% desde o início do mês; reestruturação permitirá manutenção dos voos.

A Japan Airlines (JAL), a maior companhia aérea da Ásia, decidiu nesta terça-feira entrar com um pedido de concordata.
Todos os membros da direção da companhia também aprovaram um pedido de demissão coletivo.
O ministro dos Transportes do Japão, Seiji Maehara, deve anunciar formalmente as decisões em um pronunciamento ainda nesta terça-feira.
Uma organização financiada pelo Estado para recuperação de empresas também anunciou planos de injetar cerca de 300 bilhões de ienes (cerca de R$ 5,8 bilhões) na JAL.
As ações da JAL caíram para um recorde mínimo histórico, após perderem mais de 90% de seu valor desde o início do mês, deixando o valor total da companhia em cerca de R$ 265 milhões, menos do que o valor de um avião jumbo novo.
A Bolsa de Valores de Tóquio anunciou que as transações com as ações da companhia deverão ser suspensas a partir do mês que vem.
A JAL é uma das várias grandes companhias aéreas internacionais seriamente atingidas pela queda na demanda de passageiros em consequência da crise econômica mundial.
Voos normais
O governo do Japão diz que os voos da JAL continuarão normalmente após a companhia começar sua restruturação.
A direção da JAL ainda não se pronunciou oficialmente.
Com dívidas de US$ 16,5 bilhões (cerca de R$ 29 bilhões), a companhia aérea deve se tornar uma das maiores empresas japonesas a pedir concordata.
Cerca de 15 mil empregados da companhia, ou um terço de sua força de trabalho, devem perder o emprego durante a restruturação, segundo o correspondente da BBC em Tóquio, Roland Buerk.
Segundo Buerk, com a restruturação a JAL deverá receber uma injeção de dinheiro público, mas muitos bancos credores da companhia terão que admitir perdas.
Apesar de a solução da concordata, apoiada pelo governo japonês, permitirá à empresa continuar operando, muitos investidores perderão seu dinheiro. BBC Brasil – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.





Agências de dekassegui fecham e param de recrutar – 18/05/2009

23 09 2009

Agências fecham e param de recrutar

 

Gilberto Yoshinaga e Adriana Ferraz
do Agora

O alto índice de desemprego entre os brasileiros no Japão tem refletido diretamente nas agências brasileiras que recrutam decasséguis.

Só no bairro da Liberdade (região central de SP), 80% das agências fecharam desde que as fábricas japonesas começaram a demitir em massa –por volta de setembro do ano passado. “A região tinha cerca de 180 agências recrutadoras e, atualmente, só 36 ainda funcionam. E esse número deve cair ainda mais”, afirma Cori Passos, proprietário da agência Shigoto.

Ele conta que, até agosto do ano passado, sua agência enviava entre 30 e 40 pessoas por mês para trabalhar no Japão. Em setembro, esse número começou a despencar: foram 21 contratações em setembro, nove em outubro, seis em novembro, duas em dezembro e nenhuma desde o início deste ano.

Por outro lado, a agência passou a ser contatada por brasileiros que ainda estão no Japão e não têm dinheiro para voltar.