Pandemia faz crescer proposta de ano letivo a partir de setembro no Japão

28 04 2020

A ideia já conta com petições a serem encaminhadas ao Ministério da Educação

sala de aula4
O fechamento das escolas durante a pandemia de Covid-19 reacendeu o ânimo entre estudantes, pais e líderes governamentais para iniciar o ano letivo em setembro para se sincronizar com os países ocidentais.

O jornal Asahi publicou que a questão foi levantada no passado, com os proponentes dizendo que a mudança tornaria muito mais fácil para os estudantes japoneses estudarem no exterior, por exemplo, na Europa e na América do Norte.

Agora, eles estão argumentando que a mudança não apenas abordaria questões relacionadas à escola causadas pela pandemia, mas também poderia corrigir outros problemas de longa data, como a programação dos exames de admissão nas universidades.

O interesse renovado sobre o início das aulas em setembro foi alimentado em parte por um tweet de 1 de abril por um estudante do ensino médio em Tóquio, que sugeriu a mudança para proteger os alunos.

“Mesmo que o início das aulas continue sendo adiado, a linha de chegada não mudará”, escreveu o estudante, cuja mensagem recebeu 97 mil curtidas.
O aluno também disse que o ensino online é inerentemente desigual por causa das grandes diferenças entre as escolas.

“Não posso aceitar ter que fazer exames de admissão na universidade depois de meses sem fazer nada”, disse o aluno.

Outros estudantes criaram uma petição online pedindo ao governo que mude o início do ano letivo.

Em uma semana, cerca de 3.000 assinaturas foram coletadas e a petição será submetida ao Ministério da Educação antes do final de abril.

Um grupo de pais e filhos que frequentam as escolas primárias de Tóquio montou um site de petições em 22 de abril.

O grupo disse que as disparidades crescentes na educação, dependendo do ambiente comunitário e familiar, eram uma violação clara da garantia constitucional de igualdade de oportunidades educacionais.

Os pais também pediram que o Japão seguisse a prática padrão no Ocidente para iniciar os anos escolares em setembro.

Um professor da escola primária na província de Fukuoka tem conversado com colegas sobre a mudança para o início de setembro.

Entre as preocupações que eles levantaram foi que o atraso relacionado ao vírus no início das aulas provavelmente reduziria drasticamente as férias de verão e exigiria que os alunos comparecessem às aulas aos sábados e gastassem até sete horas por dia na escola.

Mesmo com essas medidas, o início tardio pode levar ao cancelamento de eventos escolares, como reuniões atléticas e viagens.

Além disso, o professor disse que o início de setembro para o ano letivo significaria que os exames de admissão nas universidades não precisariam mais ser realizados no inverno, quando os estudantes precisassem se preocupar em evitar pegar gripe ou em como chegar aos locais de exames debaixo de neve.

Naoki Ogi, especialista em educação, também é a favor do começo de setembro. Ele disse que o atual começo de abril do ano letivo é um dos principais motivos pelos quais as universidades japonesas não estão se globalizando como as ocidentais, gerando desinteresse nos alunos japoneses de estudar no exterior.

O governador de Miyagi, Yoshihiro Murai, disse em sua entrevista coletiva em 27 de abril que o surto de coronavírus oferece a oportunidade perfeita para que alunos e pais se envolvam em discussões sobre como mudar o calendário do ano escolar.

“Isso não aconteceria se surgissem diferenças acadêmicas entre as regiões onde há efeitos importantes de infecções por coronavírus e aquelas com apenas efeitos menores”, disse Murai.

O ministro da Educação, Koichi Hagiuda, disse em uma entrevista coletiva em 24 de abril que estava ciente da conversa sobre a mudança do início do ano letivo para setembro. Mas ele disse que a questão mais urgente no momento é impedir a disseminação do COVID-19.

Alguns especialistas questionam a ideia, dizendo que a única vantagem seria ajudar os alunos que estão pensando em estudar no exterior.

“À medida que fica mais difícil determinar o que o futuro trará, há a possibilidade de que a disparidade existente entre regiões e famílias se amplie ainda mais”, disse Ryoji Matsuoka, professor associado da Universidade de Waseda, especializado em sociologia da educação.

“Será importante especificar o mais rápido possível quando as aulas serão retomadas e o que acontecerá nos exames de admissão da universidade do próximo ano”, disse.

O Ministério da Educação, em 27 de abril, deixou claro que qualquer decisão sobre quando as aulas serão retomadas será deixada inteiramente para os governos locais.

O estado de emergência declarado pelo primeiro-ministro Shinzo Abe está programado para terminar em 6 de maio, mas o Ministério da Educação disse que não estabeleceria um padrão unificado para retomar as aulas, dadas as grandes diferenças no número de infecções entre prefeituras.
Fonte: Alternativa


Ações

Informação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: