Qatar Airways considera cancelar operações no Japão

9 02 2015

Qatar airbus a330-200
A companhia aérea Qatar Airways está considerando cancelar as suas operações no Japão devido à restrições aeroportuárias impostas pelas autoridades japoneses, revelou uma fonte à agência de notícias Reuters, nesta segunda-feira.

Segundo a agência, a companhia aérea estaria em “fase final de deliberações” para retirar as três linhas diárias que opera no país, que ligam Doha a Tóquio e Osaka.

A fonte ligada à Qatar revelou que a decisão cancelar as operações no país foram motivadas pela imposição de limitações de pista, que proíbem a companhia de operar em horários que seriam propícios às conexões que partem de Doha, que é um importante hub para diversos países, incluindo o Brasil. As limitações na pista estariam gerando perdas consideráveis de receita para a empresa.

A Qatar Airways inaugurou a sua primeira rota diária para o Japão em 2005. No ano passado, a empresa colocou o novo Boeing 787 para fazer a rota Haneda – Doha.
Fonte: IPC Digital com Reuters

Anúncios




Temendo ataques terroristas, Japão aumenta controle nos aeroportos

4 02 2015

Japão aumenta controle nos aeroportos
O governo japonês, desde terça-feira (03), intensificou as medidas de segurança nos aeroportos e portos, informou o Japan Today.

O aumento da segurança ocorreu depois das ameaças ao Japão, atribuídas ao Estado Islâmico. Em um vídeo divulgado no último domingo, extremistas ameaçaram o país, dizendo que “causarão uma carnificina onde o povo japonês estiver”. As autoridades confirmaram o reforço relativo aos controles em portos e aeroportos para impedir a entrada de terroristas. Polícia e cães farejadores estão patrulhando terminais.

Embora o Japão tenha fornecido ajuda humanitária para refugiados, até esta crise, o país não estava diretamente envolvido na luta contra o terrorismo.

“O que devemos entender é que os japoneses são também alvos terroristas. Nós realmente devemos abrir os olhos para ver esta realidade”, salientou Kunihiko Miyake, um ex-diplomata e pesquisador em Tóquio. “Os níveis de precaução que o Japão tomou até agora não são suficientes. Temos de rever e reforçar a segurança para o cidadão, não apenas aqueles que vivem no exterior, mas dentro do Japão”, referiu.
Fonte: IPC Digital